Artrodese do doelho com Solução Protética ou Biológica

Artrodese do Joelho

Artrodese do doelho com Solução Protética ou Biológica

Artrodese do Joelho com Solução Protética ou Biológica

Em alguns casos de tumores ósseos e de traumas graves, as falências de próteses ou osteossíntese podem representar um desafio significativo. É nesse cenário que a artrodese do joelho emerge como uma alternativa viável. Esta técnica pode ser realizada de diversas maneiras, sendo uma delas com uma prótese do tipo diafisária ou através de uma solução biológica empregando-se enxerto autólogo e osteossíntese.

Por exemplo, quando nos deparamos com a falência de uma prótese primária infectada ou em situações de tumores ósseos agressivos ou traumas, a artrodese pode se tornar uma alternativa à amputação.

Consideremos este caso de condrossarcoma recidivado, após duas tentativas cirúrgicas, sem sucesso, em que a necessidade de uma ressecção ampla se faz presente, e a reconstrução com uma artrodese, pode ser a única alternativa para evitarmos a amputação. Nesses casos, a artrodese empregando uma prótese diafisária pode oferecer a chance de preservação deste membro.

O sucesso exige uma ressecção cuidadosa, com a remoção dos tecidos comprometidos, preservando os vasos poplíteos e nervos da região. Em seguida, é realizada a reconstrução com uma prótese modular do tipo diafisária, neste caso foi especialmente moldada, com a confecção de um segmento de polietileno, visando dar um formato mais estético para a região do “neo joelho”, minimizando o defeito deixado pela extensa ressecção do segmento afetado pelo tumor e atendendo ao objetivo de garantir uma ressecção ampla, com margens oncológicas seguras.

Neste outro exemplo de um tumor de células gigantes, que destruiu todo o planalto tibial e o 1/3 proximal da tíbia, a abordagem pode ser biológica. Nesse paciente, aproveitamos o osso autólogo do próprio local, no caso dos côndilos femorais, para preencher a falha óssea deixada pela ressecção da neoplasia.

É importante ressaltar que a técnica exige precisão e cuidado, tanto na ressecção quanto na reconstrução. A placa utilizada na fixação deve ser posicionada de forma a garantir um alinhamento adequado e evitar rotações indesejadas. A integração da artrodese com o enxerto autólogo biológico é fundamental para o sucesso do procedimento.

Em casos de traumatismos graves, com grande destruição óssea devido a traumas de alta energia, a artrodese pode ser a única opção viável para restaurar a estabilidade do membro e evitar a amputação. Esses casos, que estamos mostrando, foram apresentados no Congresso Internacional de Trauma no Joelho, em Ribeirão Preto – SP, mostrando a nossa experiência com estas duas técnicas de artrodese, empregando próteses diafisária ou osteossíntese com reconstrução biológica. Para mais informações sobre essas técnicas e apreciação de outros casos clínicos semelhantes, visite o site  www.oncocirurgia.com.br,

 Através do compartilhamento de conhecimento e experiências, poderemos avançar no desenvolvimento para o tratamento de condições ortopédicas complexas.

Confira abaixo o vídeo da cirurgia.

Tumor Ósseo Primitivo: Sarcoma de Ewing

Sarcoma de Ewing Transposição do rádio para a ulna

Tumor Ósseo Primitivo: Sarcoma de Ewing

Sarcoma de Ewing

Transposição do rádio para a ulna

Sarcoma de Ewing. Em 2007, realizamos um procedimento cirúrgico para tratar um tumor ósseo primitivo, diagnosticado como Sarcoma de Ewing. Esta forma de tumor é conhecida por sua agressividade e desafios no tratamento. A intervenção cirúrgica envolveu a ressecção da ulna, um osso do antebraço, que estava afetado pela lesão.

Antes da cirurgia, exames como a cintilografia óssea e ressonância foram realizados para estadiar a extensão do tumor. Os resultados indicaram uma lesão única na ulna direita. Optamos por uma abordagem cirúrgica após a fase de quimioterapia neoadjuvante.

A cirurgia começou com a preparação meticulosa do paciente e a delimitação do trajeto da biópsia para orientar a ressecção, com margem oncológica. O osso ilíaco foi preparado para obtermos um segmento de enxerto autólogo, necessário para a reconstrução do punho, após a remoção do segmento da ulna comprometido. Utilizamos o termo cautério (bisturi elétrico) para dissecar os tecidos com melhor hemostasia e precisão, minimizando danos aos tecidos circundantes e obtendo melhor margem oncológica.

Após a delimitação circunferencial do tumor, realizamos a ressecção da ulna comprometida, seguida pela preparação da reconstrução com a colocação da cabeça do rádio, o outro osso do antebraço, no sulco entre os côndilos umerais, adequado para funcionar com flexo-extensão, neste novo antebraço de um só osso. O segmento de enxerto ósseo do ilíaco foi então usado para promover a sinostose rádio-ulnar distal, ou seja, a fusão dos ossos rádio e ulna, estabilizando o novo punho.

Durante a cirurgia, técnicas de sutura foram empregadas para fixar a cabeça do rádio no tendão do músculo tríceps braquial, para assegurar a estabilidade do neo cotovelo, propiciando uma satisfatória flexo-extensão. Parafuso e pino foram utilizados para garantir a fixação adequada da sinostose rádio ulnar distal.

Após a conclusão da cirurgia, foi realizada uma radiografia para avaliar o resultado do procedimento. O tumor foi completamente ressecado, e a reconstrução do osso foi bem-sucedida. O paciente foi orientado sobre os cuidados pós-operatórios, incluindo fisioterapia para promover a recuperação funcional do membro afetado.

A cirurgia foi um marco importante na jornada do paciente contra o sarcoma de Ewing, representando um passo significativo no tratamento dessa doença complexa e propiciando uma boa função do membro operado.

Através de uma abordagem multidisciplinar e tecnologia adequada, conseguimos cumprir nosso compromisso em proporcionar o melhor cuidado possível aos pacientes que enfrentam desafios de saúde tão complexos e difíceis.

Prof. Dr. Pedro Péricles Ribeiro Baptista    drpprb@gmail.com  +55 11 99863-5577

Confira abaixo o vídeo da cirurgia.

Olá! Como podemos auxiliá-lo?